A rede tecida

Esta é uma história de rede. Rede ampla, lançada ao desafio, a espera de reunir elementos e pessoas diferentes em soma conjunta, na busca de resultados concretos, acreditando no potencial humano como força de mudanças. Também é rede pequena num mar tão grande, construída passo a passo por mãos de artesãos, Tecer a rede vem sendo motivo de orgulho e paciência, esperança e compreensão, trabalho de comunicação, agilidade de ação, aprendizado permanente, amizade e confiança.

Vamos dando forma à uma grande rede de informações, pesquisas, ações,parcerias, que vão sendo amarradas umas às outras e crescem gerando força, mudança e luta.

Somos uma ilha em meio ao mar.

                                                                Isabella Massa

Ao longo da história de crescimento da Rocinha e das inúmeras lutas e movimentos comunitários, a educação popular e em especial a educação de crianças,tem sido uma das principais áreas de reflexão e ação de moradores atuantes.

O projeto Rede Brincar e Aprender (CIESPI/PUC-Rio) em sua atuação na Rocinha em parceria coma ASPA (Ação Social Padre Anchieta), teve como objetivo desenvolver ações que fomentassem o debate e a ampla reflexão dos caminhos que marcaram a educação local e os possíveis caminhos que potencializassem, impulsionassem e dessem visibilidade externa a uma gama de profissionais e moradores que se dedicam à formação de crianças. Em uma das ações de articulação entre as diferentes escolas, foi formado o Núcleo de Educação Infantil da Rocinha que gerou, em 2004, o documento Breve Histórico da Educação Infantil da Rocinha.

Uma frase-síntese foi criada por uma educadora-artesã, do grupo Mulheres Solidárias – confecção em artesanato: Educação lúdica é cultura na Rocinha.

O depoimento de Sandra Carneiro Lino, responsável pela escola Pintando o Sete que vêm reitera essa característica local:

Na minha infância, o ensino aqui era muito tradicional. Eu só me lembro do método de copiar o alfabeto, as vogais, as palavras, aí copiava, copiava, copiava, aí chamava pra ler, uma coisa bem maçante. A pré-escola não tinha, é o lado de ensinar brincando. Antigamente não tinha criança de quatro anos na escola. As crianças tinham que ir pra escola já pra aprender a ler e a escrever. Não tinha essa parte legal, prazerosa, de ter um teatro na escola, de ter uma música, de ter uma brincadeira com a professora. Isso elas ganharam, tem a pré-escola aí oferecendo essa coisa prazerosa para as crianças. E agora você tem criança até de dois anos na escola.

Um marco local que ressalta a importância dada à educação associada ao lúdico é a Brinquedoteca Peteca, implantada em 1987, numa parceria entre a ASPA (Ação Social Padre Anchieta) e o CAMPO (Centro de Assessoria ao Movimento Popular). Primeira brinquedoteca comunitária existente no Rio de Janeiro, tornou-se referência de um processo educacional prazeroso e brincante.

O projeto Rede Brincar e Aprender teve como ponto de partida o espaço da brinquedoteca e suas múltiplas possibilidades. Todas as ações desenvolvidas pela parceria CIESPI-ASPA teve no brincar o seu eixo norteador e na experiência da Brinquedoteca Peteca sua referência.

O Centro de Cultura e Educação Lúdica da Rocinha parte dessa referência expandindo-se em direção a escolas públicas e outras creches comunitárias locais. Uma expansão que incluiu diversos parceiros de Pontos de Cultura a nível municipal, estadual e nacional.

 

Anúncios